Informações Gerais


Funções e Órgãos do CTA
Missão e Constituição do ITA
Cursos de Graduação
Curso de Pós-Graduação
Objetivos
Histórico
Divisão de Pós-Graduação
Normas de Pós-Graduação
Mestrado
Doutorado
Admissão e Matrículas
Bolsas de Estudos e Facilidades

 

 

 

 

Funções e Órgãos do CTA

O Centro Técnico Aeroespacial - CTA é, no âmbito do Comando da Aeronáutica, o órgão responsável pela execução dos programas de ensino, pesquisa e desenvolvimento necessários à consecução dos objetivos da Política Aeroespacial Nacional.

Para o desempenho de sua missão, o CTA conta com os seguintes Institutos:

Instituto Tecnológico de Aeronáutica – ITA,
Instituto de Aeronáutica e Espaço – IAE,
Instituto de Fomento e Coordenação Industrial - IFI, e
Instituto de Estudos Avançados - IEAv.

Os programas de pesquisa e desenvolvimento estão a cargo do IAE (nos campos aeronáutico e espacial) e do IEAv (na vanguarda da ciência). Cabe ao IFI fomentar, selecionar e integrar indústrias para produção dos itens aeronáuticos, promovendo contínua avaliação da qualidade aeronáutica, bem como promover a transferência de tecnologia dos Institutos do CTA para aquelas indústrias.

O CTA conta com servidores civis e militares e mantém convênios com grande número de instituições brasileiras e estrangeiras (notadamente da Alemanha, Estados Unidos da América, França e Inglaterra), recebendo financiamento de diversas fontes governamentais.

Missão e Constituição do ITA

O Instituto Tecnológico de Aeronáutica, criado pelo Decreto no 27.695, de 16 de janeiro de 1950, definido pela Lei no 2.165, de 05 de janeiro de 1954, é o órgão de ensino superior do Comando da Aeronáutica que tem por finalidades:

• ministrar a educação e o ensino, necessários à formação de profissionais de nível superior nos setores da Ciência e da Tecnologia, nas especialidades de interesse do Comando da Aeronáutica;

• manter cursos de graduação, de especialização e extensão universitária e de pós-graduação; e

• promover, por intermédio do ensino e da pesquisa, o progresso da Ciência e da Tecnologia, relacionados com as atividades aeroespaciais.

O ITA implantou os Cursos de Engenharia Eletrônica em 1951, de Engenharia Mecânica em 1962 (transformado em Engenharia Mecânica-Aeronáutica em 1975), de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica em 1975 e de Engenharia de Computação em 1989. Em 1961, foram iniciados os Cursos de Pós-Graduação que marcaram não apenas a implantação, no Brasil, da pós-graduação em Engenharia, como também a introdução de um modelo que viria a ser adotado em diversos pontos do País.

O ITA é constituído pela Reitoria (ID), Congregação (IC), Direção de Ensino (IE) e a Direção de Administração e Apoio (IA).

A Reitoria do ITA (ID) tem a seguinte constituição: Reitor (ID), Vice-Reitor (IDV) Conselho Superior (IDC) e Gabinete (IDG).

O Conselho Superior (IDC) é o órgão consultivo do Reitor, que o assessora e com ele coopera no planejamento das atividades e na orientação técnica, administrativa e disciplinar do ITA. Presidido pelo Reitor, tem como membros efetivos: o Vice-Reitor, o Diretor de Administração e Apoio, o Diretor de Ensino e o Chefe de Gabinete.

O Gabinete (IDG), subordinado diretamente ao Reitor do ITA, é o órgão que tem por finalidade proporcionar-lhe assessoria jurídica e de relações públicas, e, também, assegurar apoio geral à Reitoria. É constituído por: Chefe, Secretaria, Assessoria Jurídica e Assessoria de Relações Públicas.

A Congregação (IC), órgão planejador e orientador do ensino e da política educacional do Instituto, é presidida pelo Reitor e constituída por membros efetivos e representativos. São membros efetivos da Congregação: o Vice-Reitor, o Diretor de Ensino, os Chefes de Divisão de Ensino e os Chefes de Departamento. Os membros representativos são: um professor Titular de cada Divisão de Ensino, um Professor Adjunto de cada Divisão de Ensino e um Professor Assistente de cada Divisão de Ensino.

A Direção de Ensino (IE), diretamente subordinada ao Reitor, tem a finalidade de planejar, dirigir, coordenar e controlar as atividades-fim do Instituto. A Direção de Ensino (IE) é constituída de: Diretor de Ensino (IE), Secretaria (IES) e Divisões de Ensino, assim distribuídas: Divisão de Ensino Fundamental (IEF), Divisão de Engenharia Aeronáutica (IEA), Divisão de Engenharia Eletrônica (IEE), Divisão de Engenharia Mecânica -Aeronáutica (IEM), Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica (IEI), Divisão de Ciência da Computação (IEC) e Divisão de Pós-Graduação (IEP).

A Direção de Administração e Apoio (IA), diretamente subordinada ao Reitor, tem por finalidade planejar, dirigir, coordenar e controlar, dentro de sua esfera de competência, as atividades de administração de recursos humanos, materiais, financeiros e de infra-estrutura de apoio. A Direção de Administração e Apoio (IA) tem a seguinte constituição: Diretor de Administração e Apoio (IA), Secretaria (IAS), Divisão Administrativa (IAA), Divisão de Alunos (ID) e Biblioteca (IAB).

Cursos de Graduação

Os Cursos de Engenharia do Instituto Tecnológico de Aeronáutica são ministrados em 5 anos. Os dois primeiros constituem o Curso Fundamental, comum a todas as especialidades. Os três seguintes constituem os Cursos Profissionais, que atualmente se abrem em cinco especialidades: Aeronáutica, Eletrônica, Mecânica-Aeronáutica, Infra-Estrutura Aeronáutica e Computação. A escolha dessas especialidades é feita por ocasião do Concurso de Admissão, mas é permitida, sob certas condições, troca de especialidade ao término do Curso Fundamental.

Os alunos de graduação dos Cursos de Engenharia são bolsistas do Comando da Aeronáutica. Esta bolsa de estudos compreende ensino e alimentação gratuitos, bem como alojamento e tratamento médico-odontológico subsidiados pelo Comando da Aeronáutica.

A matrícula no ITA obriga o aluno a matricular-se, também, no CPORAER/SJ - Centro de Preparação de Oficiais da Reserva da Aeronáutica de São José dos Campos, excetuando-se os que já sejam Oficiais da Reserva das Forças Singulares. Ao término do CPOR, os alunos civis, que assim optarem por ocasião de seu ingresso, poderão ser convocados como Aspirantes-a-Oficial de Infantaria de Guarda, Estagiários de Engenharia, e serão incluídos, após concluirem o ITA, e a critério do Comando da Aeronáutica, no Quadro de Oficiais Engenheiros da Aeronáutica, no posto inicial de Primeiro-Tenente.

Escola de âmbito nacional procura o ITA, desde a sua criação, reduzir as exigências para inscrição e facilitar o acesso ao Concurso de Admissão. Para a admissão em 2004, o concurso foi realizado em 24 cidades diferentes, atendendo à distribuição geográfica dos candidatos que, em número de 9.081, disputaram as 156 vagas existentes.

Informações relativas à inscrição nos Cursos de Graduação em Engenharia devem ser solicitadas ao Setor de Vestibular do ITA no seguinte endereço:

Setor de Vestibular
Praça Mal. Eduardo Gomes, 50 - Vila das Acácias
12228-900 São José dos Campos, SP
Tel (012) 3947-5813 Tel/Fax (012) 3947-5932
e-mail: vestita@ita.br
http://www.ita.br/vestibular


O currículo escolar para todos os cursos é aprovado anualmente pela Congregação (para os Cursos de Pós-Graduação, ver Catálogo dos Cursos de Pós-Graduação, ITA, 2003). Ao prepará-lo, tem-se em vista, especialmente, a formação integrada do profissional, colocando-se ênfase em Ciências Básicas e nas técnicas e métodos de aplicação dos princípios fundamentais de Engenharia. Preenchidas as condições mínimas fixadas, permite-se que alunos regulares freqüentem, em caráter eletivo, cursos extracurriculares, cujos participantes ficam submetidos ao regime comum de freqüência e aproveitamento.

No currículo aprovado para 2003, e apresentado neste Catálogo, são observadas as seguintes convenções:

• Sigla da matéria - conjunto de três letras e dois números que permite identificar uma matéria como sendo de responsabilidade de um Departamento de Ensino do ITA.

• Carga horária semanal - correspondentes a cada matéria, os três números separados por um hífen indicam: o primeiro, o número de horas semanais destinado à exposição da matéria e à resolução de exercícios em sala; o segundo, o número de horas de laboratório, desenho, projeto, visita técnica ou prática desportiva; e o terceiro, o número de horas estimadas para estudo em casa, necessárias para acompanhar o curso.

• Requisito - matéria que o aluno já deva ter cursado ou condição que deve satisfazer antes de cursar determinada matéria. Quando, como requisito, constar matéria que não aparece neste Catálogo, trata-se de matéria em extinção, oferecida em anos anteriores.

• Ementa - conteúdo programático da matéria, representando os tópicos a serem abordados durante o tempo previsto no período.

• Bibliografia - indicação de até 3 referências bibliográficas que o professor poderá fazer uso como texto ao ministrar a matéria.


Por proposta das respectivas Divisões, a Comissão de Currículo da Congregação, atuando em seu nome, poderá alterar o que está aqui disposto, desde que tais modificações não impliquem mudança substancial do que foi aprovado em plenário. Modificações consideradas substanciais dependem de aprovação da Congregação, nos termos regimentais.


Curso de Pós-Graduação

Objetivos

Os Cursos de Pós-Graduação do ITA, oferecidos nos diferentes campos de especialização de interesse do Comando da Aeronáutica, e relacionados com a Engenharia e as Ciências, têm por objetivos:

• preparar pessoal para atender, primordialmente, às necessidades dos Institutos integrantes do CTA, e das demais Organizações da Aeronáutica;

• estudar e desenvolver técnicas que contribuam para o estabelecimento de uma tecnologia adequada às condições brasileiras;

• preparar pessoal docente; e

• formar pesquisadores.

Histórico

O Instituto Tecnológico de Aeronáutica instalou-se na cidade de São José dos Campos, em 1950, passando a ministrar os Cursos de Graduação em Engenharia Aeronáutica e Engenharia Eletrônica (este a partir de 1951), ambos ainda não consolidados no País, na época. O Curso de Engenharia Aeronáutica já vinha sendo oferecido, desde 1939, na Escola Técnica do Exército (atual Instituto Militar de Engenharia - IME).

Após a criação do Ministério da Aeronáutica (em 20 de janeiro de 1941), e a partir de 1947, o Curso de Engenharia Aeronáutica passou à responsabilidade da Aeronáutica, e ainda ministrado na Escola Técnica do Exército.

Tendo a preocupação fundamental de contar com um Corpo Docente de elevado padrão, o ITA procurou reunir professores estrangeiros e brasileiros de alto nível. Estes orientavam professores mais jovens, aos quais eram oferecidas amplas oportunidades de prosseguir estudos avançados no País e no exterior. Desde a sua criação, houve no ITA o que se chama de atividade de pós-graduação no sentido lato (seminários, cursos especiais avançados, cursos de atualização etc), por meio da qual se buscava melhor qualificação do docente iniciante, preparando-o, não somente para as tarefas de ensino, mas também, na época, para o prosseguimento de estudos no exterior. Em 1961, essas atividades foram organizadas formalmente em uma estrutura de matérias de pós-graduação e tese, iniciando-se um programa de formação de Mestres nos ramos da Engenharia Aeronáutica, Eletrônica e Mecânica, em Física e em Matemática. Essa iniciativa marcou no Brasil, não apenas o início da pós-graduação em Engenharia, como introduziu o mestrado e o modelo que viria a ser adotado por outras instituições, sejam de engenharia, sejam de outras áreas do conhecimento.

No início, as atividades de pós-graduação estiveram sob a responsabilidade de uma Comissão de Pós-Graduação, cujo trabalho apoiou-se em normas aprovadas pela Congregação do ITA em 4 de janeiro de 1961. Amadurecida a experiência, essas normas vieram a servir de base à regulamentação dada ao Curso pela Portaria Ministerial no 18/GM3, de 20 de fevereiro de 1968. Atualmente, de acordo com o Regulamento do ITA (aprovado pela Portaria Ministerial no 113/GM3, de 14 de novembro de 1975), as atividades de Pós-Graduação estão a cargo da Divisão de Pós-Graduação, diretamente subordinada ao Diretor de Ensino.

Em 19 de julho de 1970, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (então denominado Conselho Nacional de Pesquisas - CNPq) incluía o ITA entre os centros de excelência em pós-graduação em Engenharia e, a 4 de junho de 1975, o Conselho Federal de Educação-CFE credenciava os Cursos de Pós-Graduação do ITA, ao nível de Mestrado. Em abril/maio de 1981, o CFE credenciava também os Cursos ao nível de Doutorado. A partir de 1995, os cursos do ITA estão credenciados pela Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES, em vista dos conceitos recebidos.

O primeiro título de Mestre conferido pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica foi em 1963, e o primeiro título de Doutor, em 1970. Até o final de 2002, o ITA formou 1.124 Mestres, dos quais 93 são militares, e 206 doutores, dos quais 10 são militares.

Atualmente, as atividades de pós-graduação são disciplinadas pelas "Normas Reguladoras para o Curso de Pós-Graduação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica", aprovadas pela Portaria n° 867/GM3, de 19 de dezembro de 1988, pelas "Instruções de Funcionamento do Curso de Pós-Graduação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica", aprovadas pela Portaria CTA nº 003/DIR de 9 de março de 1990 e pelas "Instruções de Funcionamento da Divisão de Pós-Graduação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica", aprovadas pela Portaria nº 016/ITA, de 24 de setembro de 1990.

Cursos de Pós-Graduação

Até fins de 1981, os Cursos de Pós-Graduação do ITA compreendiam: Engenharia Aeronáutica (Áreas de Estruturas e Ciências Aeroespaciais), Engenharia Eletrônica (Áreas de Telecomunicações, Sistemas e Controle, Circuitos e Microondas e Eletrônica Aplicada), Engenharia Mecânica (Áreas de Ciências Térmicas, Tecnologia Industrial e Pesquisa Operacional), Física (Áreas de Física do Estado Sólido, Plasmas e Fusão e Espectroscopia Molecular), Química (Áreas de Química Orgânica, Eletroquímica e Corrosão e Análise Microtérmica) e Matemática (Áreas de Matemática Aplicada e Ciências da Computação). Nesse ano, foi iniciado um processo de reforço de certas áreas e um novo reagrupamento das áreas-afins, chegando-se à situação vigente, descrita a seguir:


Engenharia Aeronáutica e Mecânica - PG/EAM

• Aerodinâmica, Propulsão e Energia – PG/EAM-A
• Mecânica dos Sólidos e Estruturas – PG/EAM-E
• Física e Química dos Materiais Aeroespaciais – PG/EAM-M
• Sistemas Aeroespaciais e Mecatrônica – PG/EAM-S
• Produção – PG/EAM-P


Engenharia Eletrônica e Computação - PG/EEC

• Dispositivos e Sistemas Eletrônicos - PG/EEC-D
• Informática - PG/EEC-I
• Microondas e Optoeletrônica - PG/EEC-M
• Sistemas e Controle - PG/EEC-S
• Telecomunicações - PG/EEC-T

Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica - PG/EIA

• Infra-Estrutura de Transportes - PG/EIA-I
• Transporte Aéreo e Aeroportos - PG/EIA-T

Física - PG/FIS

• Física Atômica e Molecular - PG/FIS-A
• Física Nuclear - PG/FIS-N
• Física de Plasmas - PG/FIS-P

Dependendo da natureza da tese, e a critério do Conselho de Pós-Graduação-CPG, podem ser organizados programas interdisciplinares que contenham matérias de duas ou mais áreas do mesmo curso ou de cursos diferentes.


Divisão de Pós-Graduação

Cabe à Divisão de Pós-Graduação - IEP, subordinada à Direção de Ensino, exercer a coordenação geral dos Cursos de Pós-Graduação. Estes compreendem matérias e atividades de pesquisa, ambas de responsabilidade dos Departamentos de Ensino.

A IEP compreende o Chefe, o Subchefe, a Secretaria, para o exercício de funções executivas, e o Conselho de Pós-Graduação - CPG, para o exercício de funções normativas. Ao CPG pertencem todos os Coordenadores de Áreas de Concentração do Curso de Pós-Graduação, além do Chefe e do Subchefe da Pós-Graduação, todos eleitos pelos professores da Pós-Graduação.

Cada Curso, e na respectiva Área de Concentração, possui um Coordenador a quem compete estabelecer ligação entre a Chefia e o Conselho de Pós-Graduação, os professores de Pós-Graduação e Orientadores de Tese, pertencentes aos Departamentos de Ensino. Compete a eles, também, a supervisão das atividades de ensino e de pesquisa do Curso e da Área de Concentração em questão.


Normas de Pós-Graduação


São admissíveis aos Cursos de Pós-Graduação alunos diplomados por cursos reconhecidos de Engenharia Plena e de Ciências Exatas. Enquanto não for escolhido o Orientador de Tese, compete ao Orientador Acadêmico ou Coordenador de Área orientar o aluno na escolha de seu Programa de Estudos em pós-graduação.

Mestrado

O Programa de Mestrado compreende um conjunto de matérias que totaliza, no mínimo, 21 créditos, e uma tese em que fique patenteado o domínio do tema e que apresente alguns elementos de originalidade. Em geral, cada matéria de Pós-Graduação, cursada com freqüência (mínimo de 85% das aulas ) e aproveitamento ( mínimo de 6,5 pontos em 10,0 ), corresponde a 2 ou 3 créditos. A adequação e coerência do programa de estudo são examinadas pela Comissão de Qualificação nomeada para cada aluno,a pedido deste, quando a tese se encontrar em fase de redação. Dependendo do tema de tese, a adequação pode ser restrita a uma Área de Concentração ou pode envolver matérias pertencentes a mais de uma área. A Comissão de Qualificação poderá atribuir créditos para matérias cursadas com aproveitamento no próprio ITA, na forma de Matéria Isolada, ou em Cursos de Pós-Graduação reconhecidos, oferecidos por outras Instituições.

O Programa de Estudos é considerado aprovado quando, além de preencher o requisito de créditos, o aluno tiver obtido média mínima 7,5 no conjunto de matérias, e tiver sido aprovado em exame de Inglês. A concessão do título de Mestre em Ciência dependerá ainda de aprovação no Exame de Tese, perante Banca composta de até cinco membros efetivos, dentre os quais obrigatoriamente o Orientador de Tese, um especialista externo ao ITA e o representante do Conselho de Pós-Graduação, que a presidirá.


Doutorado

O Programa de Estudos deve compreender um conjunto de matérias da área de concentração e de outras áreas afins, perfazendo um total mínimo de 50 créditos. A Comissão de Qualificação poderá atribuir até 30 créditos para o título de Mestre em Ciência ou em Engenharia, obtido em Curso de Pós-Graduação reconhecido; créditos para publicações científicas originais, créditos para matérias cursadas no próprio ITA como Matérias Isoladas ou em outros cursos de Pós-Graduação. Perderão validade, a critério do CPG, créditos obtidos há mais de oito períodos letivos. O título de Mestre poderá ser dispensado, a critério do CPG, nos casos em que o candidato ao doutorado apresente excepcionais níveis quantitativo e qualitativo de realizações técnico-científicas.

O Programa de Estudos do aluno é considerado aprovado quando ele tiver completado o total de créditos anteriormente referidos, dos quais pelo menos 7 resultantes de matérias de nível 2XX cursadas no ITA; tiver obtido média mínima de 8,0 no conjunto das matérias cursadas no ITA; tiver sido aprovado no Exame de Qualificação e tiver sido aprovado nos exames de Inglês e outra língua estrangeira escolhida entre Francês, Alemão, Russo ou Japonês. A Tese de Doutorado deve representar uma contribuição original na área de conhecimento abrangido pelo curso do aluno e deverá ser defendida perante Banca composta de cinco membros efetivos, dentre os quais o Orientador de Tese, dois especialistas externos ao ITA e o representante do Conselho de Pós-Graduação, que a presidirá.

Admissão e Matrículas

A inscrição para admissão aos Cursos de Pós-Graduação é efetuada na Divisão de Pós-Graduação. A entrega dos formulários próprios para este fim, deve ser feita pessoalmente ou pelo Correio. A documentação necessária é composta de:

• Formulário de Inscrição (Modelo 2M/D),
• Uma foto 3x4 (recente),
• Diploma de Graduação (ou comprovante de estar no último ano),
• Diploma de Mestrado (se for o caso),
• Histórico Escolar ,
• Cópias de RG, CPF e Certidão de Nascimento, e
• Duas Cartas de Recomendação (Modelo próprio 3 M/D).

Informações mais detalhadas sobre admissão e matrícula poderão ser obtidas no seguinte endereço:


Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA
Divisão de Pós-Graduação
Praça Mal. Eduardo Gomes, 50 - Vila das Acácias
12228-900 - São José dos Campos - SP
Tel. (l2) 3947 5857 – 3947 5851 - Tele/fax: (l2) 3947 5920
Página: http://www.ita.br


 

Bolsas de Estudos e Facilidades

Os Cursos oferecidos pelo ITA são reconhecidos e, tradicionalmente, os alunos têm conseguido bolsas de estudos institucionais postas à disposição do ITA pela CAPES e pelo CNPq (inclusive PICD) e de outros órgãos financiadores de pesquisa. É possível, também, concorrer às bolsas oferecidas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo-FAPESP, mediante projeto preparado com um orientador.

As atividades dos Cursos de Mestrado e de Doutorados são desenvolvidas em regime de tempo integral, e por isso, os alunos bolsistas poderão fazer jus a facilidades como: local próprio para estudo, laboratórios equipados e crachá de identificação que lhes confere possibilidade ao uso de várias instalações de infra-estrutura acessíveis aos servidores do CTA. Alunos não-bolsistas, mas com dedicação em tempo integral, poderão receber algumas dessas facilidades oferecidas pela Instituição.